José Valizi

 

Fazendinha do Valizi - Memórias de José Valizi

 

Enviar mensagem de e-mail   Facebook

 

 


 


 

CAPÍTULO

   

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.

======================

Publicidade

A vaca tombou

por José Valizi (publicado em 18/10/2016)

 

Ilustração: Maria Eduarda Pimenta Zanquetta

A vaca tombou (Ilustração: Maria Eduarda Pimenta Zanquetta)

 

Uma vaca leiteira das boas costuma dar uns 20 litros de leite por dia. Mas aqui na fazendinha existe uma vaca que dá 100 litros. E o ubre da vaca tem dois compartimentos; o direito e o esquerdo; e em cada um cabem 50 litros. Por causa dessa característica da vaquinha, e também porque aqui o leite ainda é tirado à mão, ela tem que ser ordenhada por duas pessoas ao mesmo tempo, para manter-se equilibrada e de pé; porque se for tirar primeiro o leite de um lado, para depois tirar do outro, a vaca tomba. E os encarregados dessa tarefa eram os vaqueiros Manduco e Zezão, que aqui na fazendinha são pau para toda obra.

 

Certa vez eles começaram a ordenhar a vaca de manhãzinha, mas como estava fazendo muito frio, o Manduco disse: “Zezão, eu vou dar um pulinho até a cozinha da fazendinha para tomar um cafezinho, para esquentar o corpo, e volto já!”. O Zezão respondeu: “Mas não demore, senão a vaca tomba”. Enquanto o Manduco foi tomar o cafezinho, o Zezão continuou ordenhando a vaca e nem viu o tempo passar; de repente virou-se para trás, para pegar outro balde, e ouviu um barulho: tum!; seguido de um forte mugido: muuuu!

 

Ao virar-se novamente, viu a vaca caída de costas, com as quatro patas apontando para o céu. “Corre, Manduco. A vaca tombou!”, gritou Zezão. Lá veio o Manduco correndo, desesperado, perguntando: “O que aconteceu, Zezão?”. E este respondeu: “Uai! Você demorou tanto para voltar que eu nem percebi que o meu lado do ubre da vaca já havia se esvaziado, e a vaca tombou. Aliás, por que você demorou tanto para voltar, Manduco?”. Este respondeu: “É que o cafezinho ainda não estava pronto, então eu resolvi subir até o galpão para tomar uma branquinha...”.

 

E se você ainda tem dúvida se isso é verdade ou não, pergunte ao meu amigo Orlando Benedeti, que naquela manhã, bem cedinho, tinha vindo aqui na fazendinha buscar um frango caipira, e viu tudo acontecer...

   
   

APOIO CULTURAL

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.


REPUBLICAÇÃO RESTRITA

Não está autorizada a republicação dos artigos deste site em nenhum outro site na internet. Caso você queira compartilhar através da internet algum artigo aqui publicado, sugerimos que você poste uma chamada com um link, de tal modo que a leitura do artigo seja feita no site Fazendinha do Valizi. Para republicação em mídias impressas, mediante autorização prévia, deverá constar como fonte do artigo o endereço deste site (www.valizi.com.br).


Desenvolvido por Portal Onde Ir