José Valizi

 

Fazendinha do Valizi - Memórias de José Valizi

 

Enviar mensagem de e-mail   Facebook

 

 


 


 

CAPÍTULO

   

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.

======================

Publicidade

A espingarda do Dito Galdiano

por José Valizi (publicado em 18/10/2016)

 

Ilustração: Júnior Valizi (desenho) e Miguel Valizi (pintura)

A espingarda do Dito Galdiano (Ilustração: desenho de Júnior Valizi, e pintura de Miguel Valizi)

 

Meu amigo José Benedito Galdiano (Dito Galdiano) trabalhou comigo na Rádio Cultura de Ituverava, e durante algum tempo ele foi o operador de som do programa “Fazendinha do Valizi”, que era apresentado por mim. O Dito gostava muito de caçar, e quando chegava domingo ele pegava a sua lambreta (a qual ele possui até hoje), mais a espingarda cartucheira, e saía em direção às roças para caçar inhambu, pomba-de-bando e outras aves.

 

Certa vez ele foi caçar, e depois de muito andar, cansou; avistou uma enorme árvore no meio do cerrado e pensou: “Vou deitar debaixo daquela sombra pra tirar um cochilo, descansar, e depois eu continuo a caçada”. Assim, o dito estacionou a lambreta dele debaixo da frondosa árvore e deitou-se no chão, sobre uma areia branquinha. Acontece que debaixo daquela árvore passava uma trilha de formigas, daquelas cabeçudas, cortadeiras, também conhecidas por saúvas. Se você viveu no campo, assim como eu, sabe que essas formigas são uma praga para a agricultura; elas cortam tudo que encontram pela frente e carregam para dentro do seu enorme formigueiro.

 

Ao deitar para tirar um cochilo, o Dito Galdiano colocou a espingarda cartucheira ao lado do corpo, próximo à trilha das formigas. Depois de algum tempo em que estava dormindo, escutou um estrondo muito forte: bum! O Dito acordou assustado, olhou para o lado, não viu a cartucheira e disse: “Ué! Cadê a minha espingarda? Será que alguém passou aqui, pegou, levou embora e deu um tiro?”. O dito saiu correndo em direção ao barulho e logo avistou uma fumaceira saindo de dentro de um formigueiro.

 

Pois é, sabe o que aconteceu? Enquanto o Dito dormia, as formigas carregaram a espingarda dele para dentro do formigueiro, e eu acho que elas começaram a roer ali no gatilho, e dispararam a arma. Então, o Dito teve de ir até a fazenda mais próxima encontrar alguém para ajudá-lo; arranjar uma enxada ou enxadão para cavar o formigueiro e recuperar a espingarda.

 

Isso tudo aconteceu mesmo! Não é mentira, não. Pode perguntar ao Dito Galdiano que ele vai confirmar...

 

Vídeo relacionado

 

   
   

APOIO CULTURAL

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.


REPUBLICAÇÃO RESTRITA

Não está autorizada a republicação dos artigos deste site em nenhum outro site na internet. Caso você queira compartilhar através da internet algum artigo aqui publicado, sugerimos que você poste uma chamada com um link, de tal modo que a leitura do artigo seja feita no site Fazendinha do Valizi. Para republicação em mídias impressas, mediante autorização prévia, deverá constar como fonte do artigo o endereço deste site (www.valizi.com.br).


Desenvolvido por Portal Onde Ir