José Valizi

 

Fazendinha do Valizi - Memórias de José Valizi

 

Enviar mensagem de e-mail   Facebook

 

 


 


 

CAPÍTULO

   

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.

======================

Publicidade

Noites de Ituverava

por José Valizi (publicado em 05/02/2015; atualizado em 09/03/2015)

 

Em 1950, apesar da televisão já ter chegado ao Brasil, não me recordo se em Ituverava alguém já tinha um aparelho de TV em casa. E caso tivesse, seria uma ou outra pessoa. Portanto, sem televisão em casa, era costume as famílias irem passear à noite na praça X de Março, no centro da cidade, principalmente aos sábados e domingos. Enquanto mães e pais conversavam, a criançada brincava. E os jovens solteiros ficavam andando de lá para cá (o que era chamado de footing, a paquera daquela época). Normalmente, os rapazes se agrupavam em algum lugar da praça ou do início da avenida, enquanto as moças, quase sempre acompanhadas de outras amigas ou irmãs, transitavam de um lado para o outro, passando próximo dos rapazes, exibindo sua graciosidade e trocando olhares, na expectativa de encontrarem um par romântico. Inclusive, foi numa dessas ocasiões que conheci a moça que viria a se tornar a minha esposa. E foi também esse cenário de outrora que inspirou o Valizinho (meu irmão e companheiro de dupla) a compor a música "Noites de Ituverava", que se tornou também uma das músicas mais pedidas nas apresentações da dupla Valizi & Valizinho. Segue abaixo a letra da música.

 

"Noites de Ituverava"

(valsa)
Letra e música de Valizinho (composta na década de 1950)

Nas noites calmas de Ituverava,
Que eu vejo o céu, azul cor de anil,
Eu o reparo e exclamo baixinho
Ituverava, tu és Brasil
Suas famílias, seus moradores,
Nas lindas noites saem a passear
A mocidade se enamorando
Na praça, as crianças alegres a brincar

Estribilho
Ituverava, Ituverava,
Essas palavras preciso dizer
Ituverava, Ituverava,
Suas lindas noites não posso esquecer

Se nesta cidade me ponho a um leito,
E adormecido começo a sonhar,
E quando acordo, escuto lá embaixo
A cachoeira sempre a murmurar
Às vezes sozinho, eu me levanto,
Vejo as estrelas no céu a brilhar,
Em alta noite, junto a meu pinho,
Suas belezas me ponho a cantar

Estribilho

   
   

APOIO CULTURAL

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.


REPUBLICAÇÃO RESTRITA

Não está autorizada a republicação dos artigos deste site em nenhum outro site na internet. Caso você queira compartilhar através da internet algum artigo aqui publicado, sugerimos que você poste uma chamada com um link, de tal modo que a leitura do artigo seja feita no site Fazendinha do Valizi. Para republicação em mídias impressas, mediante autorização prévia, deverá constar como fonte do artigo o endereço deste site (www.valizi.com.br).


Desenvolvido por Portal Onde Ir