José Valizi

 

Fazendinha do Valizi - Memórias de José Valizi

 

Enviar mensagem de e-mail   Facebook

 

 


 


 

CAPÍTULO

   

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.

======================

Publicidade

Carreira artística

por José Valizi (publicado em 04/02/2015; atualizado em 16/02/2015)

 

Conforme já contei em outra ocasião, desde o ano de 1952 a dupla Valizi & Valizinho se apresentava regularmente aos domingos no programa de auditório Brasil Sertanejo, realizado pela então Rádio Cultura de Ituverava. E como tínhamos muita vontade de seguir na carreira artística, queríamos ir para São Paulo, cantar numa rádio da capital, através da qual poderíamos conseguir projeção nacional.

 

Nosso pai, Júlio Valisi, comentou com o senhor Herbaldo Martins (pai do compositor ituveravense Victor Martins) sobre esse nosso desejo. O senhor Herbaldo conversou com o senhor Benedito Trajano Borges, que era fazendeiro, e este pediu para que nós o procurássemos. O Benedito Trajano havia se tornado amigo do então deputado estadual Condeixa Filho, e escreveu uma carta ao deputado, recomendando a nossa dupla, e pedindo que o deputado nos ajudasse a ingressar em uma emissora.

 

Com a carta em mão, partimos para São Paulo-SP em janeiro de 1958. Como não conhecíamos aquela cidade, o nosso primo Osvaldo Maniero (da cidade de Franca-SP), que já tinha morado na capital paulista, acompanhou-nos na viagem até a Assembleia Legislativa. Lá chegando, o deputado Condeixa Filho nos recebeu e entregamos a ele a carta de recomendação; ele a leu e nos perguntou em qual rádio a gente gostaria de ingressar. Dissemos que gostávamos muito da Rádio Nacional (que hoje é a Rádio Globo), porque nela havia um programa matinal do qual gostávamos muito. O deputado disse que na Rádio Nacional seria difícil, mas que ele poderia nos recomendar à Rádio Bandeirantes. Assim, ele escreveu e nos entregou uma outra carta, recomendando-nos àquela emissora. Chegamos lá no dia seguinte e fomos recebidos pelo João Saad. Ele leu a carta e nos disse que não poderia deixar de atender ao pedido do deputado. O Saad disse-nos que, por ele, já poderíamos nos considerar ingressados na Bandeirantes, mas que existiam muitas duplas esperando uma oportunidade na emissora e que, portanto, ele não poderia passar por cima do diretor artístico-sertanejo da emissora, que era o Zacarias Mourão.

 

Mais tarde, o Zacarias Mourão nos recebeu. Quando adentramos a sala dele, onde eram realizados os testes, ele nos olhou e falou que a gente não lhe parecia ser estranho; que ele tinha a impressão de já nos conhecer de algum lugar. Dessa forma, lembramos a ele que certa vez ele tinha ido a Ituverava, acompanhando o duo Estrela Dalva, que se apresentara num circo, num sábado à noite, e que no domingo o duo foi também se apresentar no programa Brasil Sertanejo, da Rádio Cultura, onde ele viu a nossa dupla se apresentar também. Ele se recordou daquela ocasião e nos disse que nem precisávamos passar pelo teste, pois ele já tinha visto a nossa apresentação em Ituverava e que conhecia a qualidade da nossa dupla. Nos disse ainda que estava prestes a lançar um novo programa, no qual o duo Estrela Dalva iria se apresentar, e que iria nos encaixar no programa, para nos apresentarmos três vezes na semana. O programa estava previsto para iniciar-se no mês seguinte, em fevereiro de 1958.

 

Enquanto o dia da estreia não chegava, ficamos hospedados em São Paulo, e todos os dias de manhã íamos assistir ao programa Serra da Mantiqueira, apresentado pelo Biguá, no auditório da Rádio Bandeirantes. Faltando poucos dias para a nossa estreia no rádio, eis que o Valizinho, meu irmão e companheiro de dupla, adoeceu (pegou uma forte gripe asiática) e o médico recomendou que, devido ao clima desfavorável da capital, seria melhor que ele voltasse para o interior, para se recuperar mais rapidamente. Além do problema de saúde do Valizinho, recebemos uma carta de uma de nossas irmãs, relatando que desde que havíamos ido para a capital, a nossa mãe estava muito triste com a nossa ausência; que ela não se conformava de estarmos tão longe da família, e que não dormia direito e não vinha se alimentando bem. Diante do estado de saúde do Valizinho e das notícias sobre a nossa mãe, decidimos que o melhor naquele momento seria retornarmos a Ituverava.

 

Falamos com o Zacarias Mourão; ele compreendeu o situação, mas ressaltou que estaríamos abrindo mão de uma oportunidade de ouro. Mas que se quiséssemos voltar depois de alguns meses, nosso lugar no programa estaria garantido. E assim, faltando poucos dias para a nossa estreia na Rádio Bandeirantes, voltamos para casa, e não mais retornamos à capital para usufruirmos daquela grande oportunidade. Acredito que se não fossem as circunstâncias desfavoráveis daquele momento, se tivéssemos estreado no programa teríamos conseguido a projeção e o reconhecimento artístico tão sonhado.

 

Mas quis o destino, se é que assim podemos dizer, me presentear, três anos mais tarde, com a oportunidade de apresentar um programa na então Rádio Cultura de Ituverava: o Fazendinha do Valizi, que durante quatro décadas alegrou várias gerações, tornando-se um marco na minha vida e na história radiofônica da cidade de Ituverava.

   
   

APOIO CULTURAL

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.


REPUBLICAÇÃO RESTRITA

Não está autorizada a republicação dos artigos deste site em nenhum outro site na internet. Caso você queira compartilhar através da internet algum artigo aqui publicado, sugerimos que você poste uma chamada com um link, de tal modo que a leitura do artigo seja feita no site Fazendinha do Valizi. Para republicação em mídias impressas, mediante autorização prévia, deverá constar como fonte do artigo o endereço deste site (www.valizi.com.br).


Desenvolvido por Portal Onde Ir