José Valizi

 

Fazendinha do Valizi - Memórias de José Valizi

 

Enviar mensagem de e-mail   Facebook

 

 


 


 

CAPÍTULO

   

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.

======================

Publicidade

A música "No Dia das Mães"

por José Valizi (publicado em 14/08/2014)

 

Neste capítulo das minhas memórias, quero compartilhar o emocionante fato que inspirou o Valizinho (que era meu irmão e companheiro de dupla) a compor a música "No Dia das Mães". Essa história começou assim...

 

Na década de 1950, num domingo do Dia das Mães, após nossa dupla (Valizi e Valizinho) se apresentar no programa de auditório Brasil Sertanejo (da Rádio Cultura de Ituverava), no qual nos apresentávamos regularmente todos os domingos, o meu irmão Valizinho passou na casa da nossa irmã Julieta Valizi para pegar a bicicleta dele, que havia deixado lá, e retornar à fazenda onde morávamos. Lembro-me que a Julieta morava numa casa localizada à rua Capitão Primo Augusto Barbosa (que é a rua que vai da atual Praça X de Março até o cemitério municipal, em Ituverava-SP); e na casa dela havia um jardim muito bonito, cheio de flores. No portão da casa, enquanto o Valizinho conversava com nossa irmã, surgiu uma garotinha que, vendo aquelas lindas flores, pediu à nossa irmã Julieta que colhesse e desse a ela algumas rosas para formarem um buquê.

 

Enquanto nossa irmã colhia as rosas, o Valizinho perguntou à menina para que ela queria as flores. E a garotinha respondeu: - Hoje é o Dia das Mães. Nós recebemos na escola um cartãozinho para homenagear as mães. Como minha mãe já é falecida, vou levar estas rosas de presente para ela, no cemitério. Então, nossa irmã Julieta entregou as flores à menina, a qual agradeceu e saiu caminhando pela rua, em direção ao cemitério.

 

O Valizinho ficou emocionado com aquele gesto da menina e então resolveu segui-la, mantendo uma certa distância dela. Quando a menina adentrou ao cemitério, o Valizinho acelerou a passada e passou a observá-la mais de perto, sem que ela percebesse a presença dele. Ao colocar as flores em um vaso sobre a campa da mãe, aos prantos a menina disse estas palavras: - Mãe, hoje é o Dia das Mães. Estas flores são o melhor presente que consegui para a senhora. E completou com estas palavras: - Mãe, que saudade da senhora. Mãe, mãe...

 

Em seguida, o Valizinho voltou para a casa da nossa irmã, pegou a bicicleta dele e seguiu de volta para a fazenda onde morávamos, levando em seu pensamento aquela cena presenciada; e durante o trajeto (que tinha aproximadamente oito quilômetros) ele foi compondo (mentalmente) a letra e a música da canção "No Dia das Mães". Chegando em casa, o Valizinho passou a letra para o papel, pegou o violão e ficou repassando a letra e música várias vezes. Após finalizar a composição, ensaiamos a música a semana inteira e a cantamos no próximo programa Brasil Sertanejo, do domingo seguinte. Fomos muito aplaudidos pela música, a qual se tornou, a partir de então, a nossa música mais pedida em nossas apresentações.

 

Essa música tem um trecho que é declamado. Na primeira vez que a cantamos no Brasil Sertanejo, foi o Valizinho quem declamou. Após a apresentação, comentamos que essa parte da música ficaria melhor se fosse declamada por uma criança. Então, ao final do programa uma senhora que estava na plateia nos procurou na saída da emissora e disse que tinha uma filha (ainda criança) que costumava ler poesias na escola, e era muito elogiada por isso. E se ofereceu para que a filha fizesse a parte declamada da música. Assim, ensaiamos com a menina e, na próxima apresentação no programa Brasil Sertanejo, cantamos novamente a música, desta vez com a menina declamando. Essa música fez tanto sucesso que, quando fomos gravar nosso disco em São Paulo, no ano de 1965, era para ser uma das duas músicas a serem gravadas. Veja abaixo a letra da música.

 

No Dia das Mães
Compositor: Valizinho - Ritmo: Toada

Num certo Dia das Mães
A meninada contente
Porque ia entregar
Pras suas mães os presentes
Vi uma passagem triste
Que jamais me sai da mente
Com uma linda garotinha
Pequena, ainda inocente

Eu estava no portão
Com minha irmã, eu conversava
Essa linda garotinha
De nós se aproximava
Pediu um buquê de flores
Enquanto ela apanhava
Perguntei para que as rosas
Desse modo ela falava

Estrofe declamada (voz de menina)

Estas flores vou levar
Pra mamãezinha querida
Que no cemitério dorme
O sono da eterna vida
Hoje é Dia das Mães
Que os filhos “alembram” tanto
O presente de mamãe
Vou levar ao campo santo
Vou deixar em sua campa
E molhar com o meu pranto

Com essas tristes palavras
O meu corpo estremeceu
Foi como uma punhalada
Que meu peito recebeu
A menina despediu-se
Pelas flores agradeceu
Foi saindo pela rua
Eu segui os passos seus

Ela entrou no cemitério
Logo atrás, eu entrei
Ao pôr as flores na campa
Palavra, que até chorei
Os gritos de desespero
E essas palavras escutei:
"Mamãe, é o melhor presente
Que pra senhora encontrei"

Declamado (voz de menina)
Mãe, que saudade da senhora
Mãe, mãe...

   
   

APOIO CULTURAL

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.


REPUBLICAÇÃO RESTRITA

Não está autorizada a republicação dos artigos deste site em nenhum outro site na internet. Caso você queira compartilhar através da internet algum artigo aqui publicado, sugerimos que você poste uma chamada com um link, de tal modo que a leitura do artigo seja feita no site Fazendinha do Valizi. Para republicação em mídias impressas, mediante autorização prévia, deverá constar como fonte do artigo o endereço deste site (www.valizi.com.br).


Desenvolvido por Portal Onde Ir