José Valizi

 

Fazendinha do Valizi - Memórias de José Valizi

 

Enviar mensagem de e-mail   Facebook

 

 


 


 

CAPÍTULO

   

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.

======================

Publicidade

Os primeiros anunciantes do programa

por José Valizi (publicado em 01/08/2014)

Conforme já esclareci anteriormente, a Fazendinha do Valizi só existia na minha imaginação. Na verdade, o programa era realizado no estúdio da Rádio Cultura de Ituverava. E naquela época as propagandas não eram gravadas; os textos publicitários eram lidos na hora, ao vivo. Aliás, recordo-me que apenas as Casas Pernambucanas é que forneciam um jingle (palavra inglesa, usada em propaganda, com o significado de anúncio musicado em rádio ou televisão) gravado em disco; os demais anunciantes não possuíam nada gravado.

 

No dia da estreia do programa, eu estava um pouco nervoso e pedi ao Pérsio (diretor da rádio) para fazer a locução das propagandas, enquanto eu me encarregava de animar o programa, fazendo toda a patacoada. Depois de uma meia hora, o Pérsio falou que precisava fazer um telefonema importante e me deixou sozinho no estúdio. Mais tarde, eu descobri que não havia telefonema nenhum a ser feito; que ele tinha inventado aquela desculpa para me deixar mais à vontade no estúdio, e que ele tinha ido para uma outra sala, ligado o rádio e ficara ouvindo o programa para ver como eu me sairia sozinho. Após terminar o programa, o Pérsio voltou e disse: - Valizi, amanhã você faz o programa sozinho. Então eu respondi: - Pérsio, não dá. Eu preciso pelo menos de um ajudante por uns dias, até eu pegar mais confiança. Foi então que o Pérsio pediu ao Betinho Jamal (que também era locutor da emissora) para fazer o programa comigo. E assim, fomos para o segundo dia de programa...

 

Naquela época, não tínhamos na rádio nenhuma gravação que pudéssemos usar como recurso de sonoplastia, para reproduzir os sons da natureza, da fazenda. Como eu era muito brincalhão, resolvi improvisar meus efeitos especiais. Arranjei umas latas velhas e outras coisas mais que pudesse fazer barulho e levei para o estúdio. Quando eu precisava reproduzir algum tipo de barulho para animar o programa, eu chutava as latas ou batia em alguma coisa. Vendo toda aquela palhaçada e folia que eu estava aprontando, o Betinho Jamal começou a achar graça daquela bagunça; na sequência, resolvi imitar um gato; o miado foi tão esquisito e engraçado que o Betinho não aguentou e caiu na gargalhada; e quando chegou a hora de falar as propagandas, e o Betinho não conseguia parar de rir; tinha dado uma crise de riso nele. Percebendo que o Betinho não iria conseguir ler os textos, eu mesmo tive que fazer os comerciais; só que em vez de ler os textos que estavam escritos, eu comecei a improvisar e falar o que me vinha à cabeça. E ficou tão engraçado e divertido que, depois do programa. o Pérsio me disse: - Valizi, ficou muito bom. Você não precisa mais de ajudante; a partir de amanhã você fará o programa sozinho. E assim, já a partir do terceiro dia eu consegui fazer o programa sozinho, sem ninguém para me auxiliar.

 

Lembro-me que no princípio o programa tinha quatro patrocinadores (anunciantes), que eram a Riachuelo, o Bar Pajé, a Relojoaria A Hora Certa e a Casa dos Presentes (do Mário de Assis). Na hora da propaganda da Riachuelo, em vez de eu falar que lá tinha pano de tal cor ou estampa para mulher e homem fazerem roupas, eu colocava a cor (ou estampa) no final da frase; então ficava mais ou menos assim: na Riachuelo você encontra pano para fazer roupa para mulher pintadinha, para mulher colorida, para mulher listrada, para mulher xadrez, para mulher cor-de-rosa, para mulher estampada; e também tem pano para fazer roupa para homem cinzento, homem azul, homem bege, homem listrado, homem enxadrezado etc. E os ouvintes achavam a maior graça disso...

 

E assim o programa foi tomando impulso com as brincadeiras que eu fazia e com as coisas engraçadas que eu dizia. E os anunciantes já não queriam mais que eu lesse os textos das propagandas deles, e sim falasse ao meu modo, improvisando e com brincadeiras. Com o passar do tempo, outras empresas começaram a se interessar pelo programa; e para atender aos novos anunciantes, o programa (que no começo tinha 1 hora de duração; das 6 às 7 horas da manhã) ganhou mais meia hora; e depois, mais meia hora; e mais anunciantes aparecendo; e foi indo até chegar a 3 horas de duração (das 6 às 9 horas da manhã).

   
   

APOIO CULTURAL

Faça uma pequena doação e

ajude-nos a produzir novos

conteúdos para este site.


REPUBLICAÇÃO RESTRITA

Não está autorizada a republicação dos artigos deste site em nenhum outro site na internet. Caso você queira compartilhar através da internet algum artigo aqui publicado, sugerimos que você poste uma chamada com um link, de tal modo que a leitura do artigo seja feita no site Fazendinha do Valizi. Para republicação em mídias impressas, mediante autorização prévia, deverá constar como fonte do artigo o endereço deste site (www.valizi.com.br).


Desenvolvido por Portal Onde Ir